Tempos atrás consertar um carro, caminhão, ônibus era para o mecânico profissional a coisa mais fácil do mundo e ainda conseguia ensinar suas técnicas aos novos aprendizes, aqueles auxiliares que tinham paixão pela graxa e faziam de tudo para aprender o mais rápido possível. E aprendiam!

central

Oficina mecânica antigamente passavam de pai para filho sem as maiores dificuldades.

Hoje não é mais assim, as coisas mudaram drasticamente e os velhos mecânicos que não se aperfeiçoaram ficaram para trás outros desistiram e outros depende das novas gerações para continuar no mercado. Ou seja, investiram em tecnologias mas pagam para que outros reparadores façam estes serviços. Até aí está tudo bem, porém não está mais encontrando no mercado de reparação alguém disposto em seguir com esta profissão, e muito menos interesse de formação de novos profissionais. Acabou aqueles meninos apaixonados por graxa, pelo ronco de um motor.

mecanico

Tudo isto por falta de incentivos profissionais neste país, e quem quer aprender não consegue porque tudo é caro, um absurdo até mesmo quem já está no mercado, qualquer cursinho único hoje é um absurdo o valor. As oficinas da atualidade são poucas com interesse em trazer para seus reparadores cursos, como medo deles aprender e montar a sua própria oficina. Está muito complicado esta área, parece estar a beira da extinção. A falta de informações para estes novos mecânicos, que pegou o bonde andando é o motivo do abandono.

curso-mecanico

Quem decidir continuar tem que se aperfeiçoar através de seus próprios meios ou então pagar caro por este aprendizado. Não falo só para os novos e sim para os veteranos também, a idade não importa o importante é estar sempre atualizado.

As novas tecnologias

Como já não bastasse, ainda temos o avanço rápido da tecnologia, todos os anos uma novidade.

Baseando se nos novos tempos e nestas novas tecnologias, pesquisando e acompanhando os desenvolvimentos do mercado automobilísticos, nota-se, que há uma carência muito grande em relação às informações e são estes os motivos de muitos mecânicos estar largando de vez a profissão, porque está sendo impossível acompanhar o desenvolvimento das tecnologias atuais, tudo é complicado. Uma simples troca de pastilha de freio, troca de um rolamento de roda já não se faz sem técnica ou conhecimentos. Tudo está sendo monitorado eletronicamente e um deslizes, vira um transtorno. Peças tem que ser originais, porque as paralelas não se enquadram mais, ou melhor dizendo: não se adaptam mais!

Sistemas

Os veículos atuais, tanto da linha leve como pesada, industrial, veicular e agrícola, foram divididos por sistemas para melhor compreender e diagnosticar as constantes panes,  já eram assim desde o começo das implantações eletrônicas. Veja abaixo os principais sistemas:

  • Sistema de arrefecimento;
  • Sistema mecânico;
  • Sistema de lubrificação;
  • Sistema de freios;
  • Sistema elétrico;
  • Sistema eletrônico;
  • Sistema de injeção;
  • Sistema de iluminação;
  • Sistema de som;
  • Sistema de ar condicionado;
  • Sistema de tração;
  • Sistema common rail
  • Sistema de airbag;
  • Sistema de direção;
  • Sistema de embreagem;
  • Sistema de transmissão;
  • Sistema de estabilidade;
  • Sistema de bordo e por aí vai.

Diante de tantos sistemas, novidades tecnológicas ficou quase impossível resolver problemas somente com conhecimentos de mecânico, por isso os mecânicos antigos que ainda trabalham na área, tem como obrigação aprender as novas regras, se adequar aos novos tempos. Este é o tema do Blog - "Mecânica dos tempos modernos".  Aqui nos comentários, logo no começo li alguns comentários criticando duramente este tema, outros até ofensivos que não pude publicar, mas agora acredito que a mentalidade destes comentaristas tenha mudado.

O mecânico tem que conhecer todos estes sistemas individualmente detalhes por detalhes, ou então não resolverão os problemas. E não para por aí, além destes conhecimentos, tem que saber monitorar todos um por um ou em série, através de sofisticados aparelhos. De todos estes sistemas, mencionados, o que menos da dor de cabeça segundo minhas pesquisas é o sistema mecânico, pouca coisa foram alteradas, apenas sofreram algumas modificações devido ao monitoramento do sistema eletrônico.

Os Cuidados com os novos motores

O painel dos veículos de hoje como antigamente (isto não mudou), é o guia tanto do condutor, como do reparador, é através das informações contidas nele que se inicia os reparos de um carro, caminhão, trator, etc.

tecnologia

Uma simples problemas elétricos, eletrônico, nos freios, estabilidade... acusa no painel por meios de luzes de anomalias e agora existem outras luzes de advertências que devem ser resetadas (apagadas), após manutenções como troca de óleo lubrificante, filtro de combustível, correia dentada e outros. Se for ignorados estes avisos, o sistema pode bloquear o funcionamento do motor e de outros sistemas.

Se for trocar óleo e filtro de certos veículos da atualidade, não pode deixar nem menos nem mais o nível de óleo, porque o sensor do nível de óleo vai passar informação para o módulo que o nível não confere então o módulo pode não acionar o sensor de rotação e nem o de fase e o motor não funciona, além disso, existe ainda uma luz acesa no painel indicando que você trocou o óleo do motor, mas não fez o reset, ou seja,  tem que ser novamente memorizado no sistema, ou então vai ter também problemas no funcionamento do motor.

Parece até piada escrever um artigo deste amigo leitor e reparadores, mas é fato e é exatamente assim que acontece e está acontecendo nas oficinas atuais, e o pior de tudo isto que não temos mais reparadores que queiram encarar esta realidade, e quem está atuando a maioria não quer problema para a sua cabeça, prefere ficar o tempo todo trocando molejo, ou então atendendo os serviços menos complicados.

Sempre comento com meus colaboradores na oficina que pouca coisa mudou em um caminhão ou em um carro e que somente passou a existir após a injeção eletrônica dois sistemas: Mecânico e eletrônico

O sistema eletrônico é como se fosse uma capa sobre a parte mecânica, muitos componentes mecânicos foram substituídos por componentes eletrônicos, na verdade foram feitas alterações, por exemplo: onde tinha um distribuidor não tem mais e sim uma bobina estática monitorada pelo módulo de gerenciamento eletrônico. Ela faz o mesmo trabalho do distribuidor, porem eletronicamente, com muito mais precisão e outras substituições de peças importantes como: bomba injetora, o carburador, todos com os mesmos princípios de funcionamentos.

Injeção eletrônica

Com a chegada da injeção eletrônica os engenheiros e fabricantes de motor não sabiam como acoplar o sistema de injeção no próprio motor, claro que tinham noção, mas não sabiam por hora como fazer isto, mas contrataram a sabedoria dos engenheiros eletrônicos para construir este sistema que queriam, baseado-se no antigo sistema carburado. Para os engenheiros eletrônicos isto era também uma novidade até então.

Como era interessante o desafio, pediram auxilio de um programador de sistemas. Trocando ideias e juntando os conhecimentos destas tres mentes brilhantes, chegaram a uma conclusão que para programar, construir e implantar este novo método em um motor, precisariam dividir o motor por sistemas, justamente para poderem mapear e criar um cérebro eletrônico, programando este cérebro para gerenciar tudo aquilo que fosse necessário para que o motor funcionasse desde a partida.  Assim criaram a ECU o nosso conhecido (módulo de injeção, central ou centralina). Com o tempo vários outros módulos foram construidos para gerenciar estes sistemas individualmente, e passou a ser conhecido como Rede CAN. Um sistema ligado em série.

Por isso amigo reparador, quando for consertar qualquer veiculo, comece pelo sistema onde apresentam panes, somente fiquem espertos porque os sistemas são intercalados, ou seja, todos depende um do outro para funcionar. É como um circuito elétrico de uma lâmpada, se ela queimar o circuito é interrompido, o mesmo se houver um curto circuito em um de seu fios.

Apesar dos sistemas ser separados para gerenciamentos eletrônicos e para não complicar muito o andar dos projetos, estes sistemas basicamente no final acabou por ser reduzidos em apenas dois:

  • Sistema mecânico - que já tinha desde que carro é carro e tem até hoje, pouca coisa mudou em um motor, cambio, diferencial, freios, etc;
  • E o sistema eletrônico - que veio para substituir o carburador e a bomba injetora. Este sim mudou e para melhor e ainda foram criados outros módulos para gerenciamento individuais, estes feitos melhorou e muito o desempenho, economia, dirigibilidade, facilitou muito a manutenção, etc.

E é isto que temos que por em mente dentro de variados defeitos que acontecem no dia a dia dentro de uma oficina, baseando se nos dois sistemas, porque certos defeitos podem ser eletrônico a maioria dos casos, como podem também ser mecânico e este ultimo caiu no esquecimento. As vezes perde vários dias a procura de um defeito eletrônico, quando na verdade é mecânico. Tem que ficar muito atento a isto, porque engana-se muito e isto gera prejuízos, e descontentamentos. Exemplo: se o motor está falhando: troca se velas, cabos, bobina, etc. Quando o defeito pode ser: cabeçote, comando de válvulas com cames comido, uma válvula que derreteu, empenou, ou pode estar presa, pode estar entrada ar falso, e muitos outros problemas relacionados.

Este assunto de injeção é complicado entender, mas estou criando uma serie de artigos, par melhor compreensão.

Informações precárias

As montadoras em geral lançam seus modelos com altas tecnologias e esquecem-se do amigo reparador que ficam a ver navios que por sinal não é a sua área especifica. Concordam?

As montadoras de veículos importados são as mais difíceis de mexer, principalmente se não tiver conhecimentos e, para ajudar, não temos peças a disposição no mercado de reposição, sem contar a burocracia para comprar estas peças. Estas montadoras lançam novos modelos, mas muito difícil conseguir informações técnicas quando é necessário uma reparação de qualquer porte em seus veículos.

Mas ultimamente não estão sendo só os importados um problema, os nacionais também estão deixando muitos reparadores com dores de cabeça. A tecnologia são muitas e o conhecimento de tudo isto é muito pouco e as montadoras não querem nem saber se você está com problemas ou não. O que eles dizem é o seguinte: manda aqui na concessionária que serão resolvidos! Mas, nem todos tem condições ou tempo para ir a uma concessionária, o que eles deveriam é criar suportes técnicos, não só para seus mecânicos e sim para todos os mecânicos interessados. Façam isso e irão vender muito mais, porque além de ser reparadores são também avaliadores dos seus produtos. Se presta dizem muito bem se não presta detonam.

Manutenção na raça

Logicamente que o reparador empenha ao máximo para conseguir resolver todos os problemas, conhecendo ou não. Mesmo sem as informações adequadas e precisas, procuram sempre fazer as melhores reparações possíveis. São através de informações boca a boca, conhecimentos pessoais, por telefone, internet e outros meios, que o reparador consegue trabalhar com maiores precisão, mas isto está longe de ser uma técnica precisa e o cliente não pode esperar, ele não tem culpa se a sua oficina mecânica está em falta com as informações, se não tem pessoal capacitados. Os meios antigos não tocam mais oficinas mecânicas e muito menos sem ferramentas, não estou dizendo da antiga caixa de ferramentas, e sim dos vários aparelhos com tecnologias atualizadas e de ponta e claro que também tem que ter quem domina tudo isto.

O cliente procura a melhor oficina

Os proprietários dos atuais veículos vão a oficinas especializadas ou buscam sempre a oficina que tenha a maior capacidade para mexer em seu carro (não se esqueçam que carro é uma paixão nacional), todo cuidado é pouco, mesmo assim tem cliente caxias que gosta de frequentar sempre a mesma oficina, porque ele confia nos reparadores que ali estão, mas se não sentir seguro abandona rapidinho esta ideia.

Então, não fique parado no tempo você amigo mecânico, busque meios de informações para todos os assuntos que envolvam a sua oficina, a sua profissão, faça o possível para trazer os conhecimentos para bem perto de você, da sua equipe, prepare a sua oficina com as melhores ferramentas da atualidade, são caras? são! Mas sem elas hoje é impossível trabalhar com precisão.

Fique sempre ligado nas atualizações deste mercado, assim você vai estar habilitado para qualquer surpresa do dia a dia.

Faça primeiro o diagnostico

Podem notar que tem novidades todos os dias, principalmente nas áreas de eletroeletrônica e da mecânica e posso dizer seguramente que o defeito daquele carro de ontem não é o mesmo de hoje, e mais: O bom mecânico não deve trocar peças, antes de ter conhecimentos das causas dos problemas, além de complicar os diagnósticos a peça colocada nem sempre pode ser devolvida.

Fique atento “nem tudo que parece é, ou pode ser"!

Informações

Para maiores informações, bate papo, dicas visite os sites e portais abaixo, são esclarecedores e ajudam muito. Se tem alguma dica, algum conhecimento, resolveu qualquer problema cabeludo, compartilhe talvez não resolva o problema de um companheiro, mas ajuda muito.

palestrante

Visite o portal: Oficina Brasil, muitas informações de colegas reparadores.

Curso online reparador mecânico: Cursos Virtuais.Net

Curso motor: Curso Motor Diesel

Visite também: Dicas Mecânicas

Senai: Curso automotivo

Dicas quentes para profissionais da reparação automotiva: Dr CARRO

As paginas informadas acima é de responsabilidades dos anunciantes!

Meus manuais técnicos

Corte de óleo - Técnica para sincronizar bomba injetora mecânica

Retifica motor do fusca - Técnica para retificar motor do fusca

Cabeçote AT Power - Técnica para retificar e sincronizar cabeçote dos motores Flex Power

E se precisar de mais ajuda, tiver algum problema no seu carro, caminhão, ônibus, e outros problemas deixe aqui seu comentário ou entre em contato através das redes sociais pelos telefones que encontra na página Sobre. Não conhecemos muito, mas o que conhecemos pode ajudar a resolver sérios problemas e também os rotineiros.