Sistema do comando das válvulas

 

Nesta matéria vamos analisar problemas e soluções nos cabeçotes, comandos de válvulas e outros problemas relacionados nos motores da linha Chevrolet GM.

cabecote_gm

Os pontos abordados serão:

  • Atuação dos tuchos hidráulicos;
  • Barulhos de tuchos;
  • Sistema com roletes
  • Verificação dos cames dos comandos;
  • Alinhamento do comando;
  • Quebra do comando de válvulas;
  • Planicidade das bases do cabeçote;
  • Alojamentos do comando (gaiola) e outras especificações.

Dentro do motor pode acontecer muitas avarias por falta de manutenção, sobretudo, aquelas que a gente não consegue ver, como o comando de válvulas, as próprias válvulas, guias das válvulas e os tuchos hidráulicos. Componentes puramente mecânicos, que não podem ser analisados por um scanner, ou seja, precisamos abrir parte ou todo o motor para averiguar o estado das peças e sanar os problemas, trocando ou retificando as suas peças danificadas.

Troca de óleo

Manutenção obrigatória para a vida útil do motor. Sempre trocar nas mesmas especificações para aquela aplicação. Parece simples, mas trocar o óleo e o filtro lubrificante nos prazos determinados pelos fabricantes, oficinas ou retificas de motor, garante prolongamento ao funcionamento do motor, mas muitos deixam essa regrinha básica da manutenção do veículo de lado, por esquecimento ou por falta de cuidado mesmo.

Válvulas do cabeçote do motor

A válvulas são elementos importantes dentro do conjunto do motor. Elas permitem quando fechadas a compressão correta e quando aberta de admissão a entrada da mistura ar/combustível e a de escape a saída dos gases que foram queimados para o escapamento. E para que as válvulas possam fazer o movimento de abertura e fechamento existe um ou mais eixos de comandos de válvulas sincronizados ao eixo virabrequim através de correia dentada e por meio dos seus ressaltos, também conhecidos por cames, promovem a sua abertura e controlam o seu fechamento.

Portanto, o eixo de comando de válvulas e as válvulas são elementos importantíssimo para o motor, qualquer avaria pode comprometer e muito o rendimento do motor.

Tuchos de válvulas

tucho

É bom saber que existem dois tipos de tuchos: hidráulico e mecânico. O primeiro atua com óleo interno e o segundo usa uma pastilha. É muito comum encontrar tuchos mecânicos na linha Fiat e Volkswagen. Na maioria das vezes, os tuchos hidráulicos dispensam as varetas. No caso da linha GM os tuchos são hidráulicos ou elementos hidráulicos.

Atuação dos tuchos hidráulicos

Para funcionar corretamente, o tucho hidráulico deve receber óleo lubrificante limpo, na especificação correta e sobre pressão. Além de lubrificar o componente, preenche as suas câmaras internas, promovendo o ajuste automático da folga de funcionamento das válvulas evitando barulhos.

Borras no motor

As avarias dos tuchos hidráulicos, (não só dos motores da linha GM, mas em todos os motores de veículos que usam destes componentes), são quando existem formações excessivas de borras dentro do motor (devido à deterioração do óleo lubrificante), as galerias que alimentam os tuchos (entre outras passagens) ficam obstruídas. Isso acontecendo faz com que a pressão do óleo caia, impedindo o seu correto funcionamento onde começa a criar ruídos dentro do motor prejudicando também a sua correta lubrificação. Com isso tem-se a redução do desempenho do motor e o desgaste prematuros dos tuchos, dos seus alojamentos, do eixo de comando de válvulas e das válvulas.

A aplicação incorreta do lubrificante também pode comprometer o motor nas mesmas proporções.

Temperatura do motor

Com o aumento da temperatura do motor, e este estiver em condições precárias, com muito desgastes o óleo vencido ou inadequado se transforma em borra o óleo lubrificante perde a sua viscosidade e escapa do interior das galerias, dos tuchos, bronzinas de mancal e bielas, alojamentos dos comandos e outros alojamentos importantes. Este acontecimento interno no motor, acaba por impedir o correto funcionamento. Em casos extremos, pode haver o rompimento do filme de óleo lubrificante existente entre o eixo virabrequim, bielas, eixo comando de válvulas, tuchos cilindros (...). As consequências são os atritos secos entre as peças e o fundimentos dos componentes.

Desgastes prematuros

Em caso de desgastes prematuros recomenda-se retificar ou trocar as peças danificadas e quando uma peça depender da outra formando um conjunto para o mesmo trabalho dentro do motor  que é o (caso do eixo comando de válvulas), substituir o conjunto (eixo de comando, tuchos, balancins, escoras, a válvula de retenção e até mesmo a gaiola), pois todas as peças podem estar comprometidas.

Barulhos de tuchos ou válvulas

Quando se ouve ruídos excessivos na parte de cima do motor (cabeçote), notar perdas de rendimentos e irregularidades na marcha lenta, o problema poderá ser: nos cames do comando de válvulas (comido), se estiver nestas condições as válvulas não abrem o suficiente. O correto para ter certeza é abrir a tampa das válvulas e inspecionar cuidadosamente o conjunto do eixo comando de válvulas, balancins, escoras, tuchos, válvula de alivio da galeria dos tuchos a procura de indícios de falta de lubrificação ou outras avarias.

Cabeçote com sistema de rolete

cabeçote rolete

Nos cabeçotes dos motores de novas gerações aplicados nos motores 1.0, 1.4, 1.6 e 1.8 e até 2.0 o acionamento das válvulas são através de balancins com roletes. (Os conhecidos cabeçotes roletados), aplicados nos motores do corsa, celta, cobalt, S10, Vectra, prisma e outros.

Os princípios de funcionamento é idêntico aos cabeçotes mais antigos, porém muitas coisas foram mudadas em seus mecanismos como:

  • Os tuchos são menores (na verdade são elementos hidráulicos);
  • Os balancins são de roletes,
  • O eixo comando tem seus ressaltos arredondados;
  • As molas são do tipo cone;
  • As válvulas têm suas hastes mais finas (6,00 mm); tanto como os guias de válvulas e consequentemente foram reduzidos os pratos superiores das molas como também as travas de válvulas.

Problemas apresentados nestes cabeçotes

No diagnóstico de qualquer barulho, irregularidades nestes cabeçotes ou no motor, ficar muito atento, principalmente se a reclamação for barulhos de tuchos!

Estes tipos de motores vêm apresentando barulhos na parte superior do motor com quilometragens muito baixa e em todos os diagnósticos foram condenados o cabeçote, principalmente motores 1.0 e 1.4.

O problema não está no cabeçote propriamente dito e sim nos guias das válvulas. Acontece que estes guias criam folgas excessivas em pouco tempo de uso (10.000 a 14.000 quilômetros), e como as válvulas estão sobre pressão dos balancins roletados, tende estas válvulas se deslocarem lateralmente por causa da grande folga, com isso as molas que tem seus formatos cônicos, ou seja, (a parte de baixo da mola onde são assentadas no cabeçote tem diâmetro maior e a parte de cima onde vão os pratos das travas tem diâmetro menor), no movimento das válvulas sobre os guias folgados as mesmas tende a trabalhar desorientadas, fora do alinhamento correto, as molas acabam por acompanhar também estes movimentos de forma lateral, gerando os inconvenientes barulhos, principalmente na primeira partida do motor ou desaceleração.

Construção das molas

As referidas molas têm este formato justamente para acompanhar a engenharia do sistema, pois as dos modelos antigos não puderam ser usadas devidos o formato do balancim de válvulas. Com isso foram eliminados os pratos inferiores, onde serviam como guias para estas molas que justamente evitavam estes deslizes laterais, mesmo havendo folgas excessivas nos guias das válvulas. Sendo assim, não existem outras soluções a não ser a substituições dos guias e das válvulas para solução do problema.

Desgastes do eixo comando

comando gasto

Outros componentes que podem ser avaliados quando o eixo de comando de válvulas se desgasta prematuramente, são:

  • Bronzinas do virabrequim (mancais e bielas);
  • Anéis dos pistões;
  • Cilindros do motor;
  • Mancais do virabrequim;
  • Bielas;
  • Bomba de óleo;
  • Válvula de alivio da bomba de óleo;
  • Muita borra no motor.

A razão é muito simples: o material liberado durante o desgaste ("limalha") pode obstruir o pescador da bomba de óleo ou apenas circular em suspensão no lubrificante, atuando como material abrasivo. Nem sempre é necessário retificar o cabeçote quando o eixo está danificado ou com borra de óleo. É necessário fazer a limpeza com produtos adequados. Porém no caso de quebra do eixo comando de válvulas é preciso inspecionar criteriosamente o cabeçote, sistema de lubrificação, sobretudo os mancais de apoio do eixo de comando de válvulas (gaiola), quanto a empenamentos e ovalização.

Para remover a borra o conjunto precisa passar por uma lavagem química especial, de preferência por imersão, para que todos os canais internos sejam devidamente desobstruídos.

Não é recomendado a utilização de eixo comando novo e balancins usados, porque vão causar o desgaste prematuramente nos cames. O correto é substituir todo o conjunto (comando, balancins, escoras, tuchos, válvula de retenção). Também não use cola em excesso nas junções da gaiola ao cabeçote, use de preferência cola do tipo travante de parafusos.

Faça o correto da primeira vez para evitar retrabalho e abrir o motor duas vezes.

Quebra do comando de válvulas

comando quebrado

A quebra do comando pode ser atribuída a dois fatores:

  • O empenamento da gaiola (mancais) de alojamentos do comando e,
  • Empenamento da parte superior do cabeçote (base de apoio desta gaiola).

Existem duas formas para testar e descobrir a causa da quebra do comando:

Uma das formas de se verificar se a gaiola está empenada é remover a gaiola do cabeçote, retirar o eixo comando quebrado e ao colocar o eixo novo sobre a gaiola o mesmo deverá girar livremente com mão. Caso ocorra do eixo não entrar e se entrar existir interferência ao girar coma a mão, a gaiola estará empenada e tem que ser substituída.

base empenada

O outro procedimento é retirar o cabeçote do motor, desmontar as molas, retirar as válvulas e prender o cabeçote a uma morsa ou dispositivo de apoio; colocar no local apropriado a gaiola com o eixo comando rodando livre em seu alojamento; apertar esta gaiola sobre o cabeçote como se estivesse colocando ao bloco do motor. Se o comando de válvulas prender é porque a base superior do cabeçote está empenada.

Geralmente este defeito é visual só de apoiar a gaiola do comando sobre a base do cabeçote, a mesma fica que tipo gangorreando. Nestes casos deve ser substituído o cabeçote e as vezes também a gaiola.

É importante checar na retifica de motores ou em banca de serviços na oficina a planicidade da face superior do cabeçote e da gaiola antes da montagem, para efetuar esse procedimento, utilize uma régua de aço na diagonal. No veículo estes testes raramente terão resultados satisfatórios devido o mesmo estar montado com as válvulas.

Retifica da base superior do cabeçote

Tem quem faz estes serviços, mas não é recomendado!

A usinagem desta parte não é permitida, porque irá sofrer alterações na altura do cabeçote e consequentemente na altura de trabalho dos tuchos de válvulas. O comando irá baixar e os tuchos ao carregar, deixarão as válvulas abertas, com isso o motor pode não entrar em funcionamento por falta de compressão e se funcionar ficará falhando os cilindros.

Superaquecimentos do motor

Na maioria dos casos, de superaquecimentos queima-se a junta de vedação do cabeçote e a base do cabeçote também queima e empena, assim é levado para a retifica para corrigir esta falha, mas a gaiola muitas vezes não acompanha o cabeçote, onde ocorre a ausência de verificação também desta base de apoio que logicamente se o superaquecimento foi axcessível pode ocorrer também o empenamento desta base e da gaiola.

Letra gravada no comando

comando_letra

Outro item muito importante é a verificação da letra gravada no comando, para cada tipo de motorização é um tipo de comando e uma letra. O que muda de um comando para outro é o lobe center 7, que é o grau de inclinação de abertura e fechamento das válvulas. Siga a orientação do fabricante ou siga a letra do comando velho.

Lobe Center

Importante ressaltar que: Comando aplicado errado o motor poderá entrar em funcionamento, mas não terá desempenho, vai consumir combustível, poderá ficar falhando e outros graves problemas.
Toda vez que montar o eixo de comando de válvulas, o motor tem que estar em posição de sincronismo.


Conheça também os manuais técnicos:

MTCO - Manual técnico de Corte de Óleo

MTRMF - Manual técnico da Retifica Motor do Fusca


Gostou do artigo?

Deixe o seus Comentários a sua Opinião, Compartilhe!

Siga me também no Twitter - Facebook - Linkedin - Google+

Ou então Assine a Newsletter de Mecânica Solique e receba as novidades do blog em seu E-mail.